Benditas Palavras Bem Ditas: Temos

quarta-feira, maio 7

Temos







via pinterest





 
 
EU E IEMANJÁ
temos ciúmes
do que ganha
o teu olhar,
lambe 
tua pele 
e engole a
saliva da tua
língua salgada.
sentimos inveja 
do que te faz
endurecer,
morrer e
te salva.

lêf.






5 comentários:

Liza Leal disse...

Invejinha branca...
Perdoável. rsrs

bjok, Lê!

=)

holostasis disse...

quero me desculpar pelo modo pedante de outro dia tentando te analisar mas isso talvez é a qualidade da sua poesia, de ser íntima tão rapidamente; vemos com nitidez e essa clareza parece que nos pertence, ler poder ser uma forma de prender... curioso que as vezes quando se escreve há um senso de solitude que preenche e raramente nos damos conta do quanto estas solitudes pelo mundo se encontram soltas e ao mesmo tempo amarradas

teu texto me lembrou uns trechos abaixo,tem algo de capitu que não sei definir nos seus textos...

um abraço


Iemanjá do Céu - Vinícius de Moraes [excertos]

Domingo, quando te vi cheia no céu, sobre a Lagoa - e nunca te vira assim tão cheia - juro que morri de ciúmes, Bem-Amada. Já não eras mais moça. Os olhos mecânicos de Lunik-9, pousados sobre o teu corpo,fotografavam-te em tua desnudez. Ai de mim, já não eras só minha.

Delmira Agustini - Astrologos [excerto]

Las nubes son la Envidia, si Envidia hay en el cielo!


Machado de Assis - Dom Casmurro

Olhos de ressaca? Vá, de ressaca. É o que me dá idéia daquela feição nova. Traziam não sei que fluido misterioso e enérgico, uma força que arrastava para dentro, como a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca. Para não ser arrastado, agarrei-me às outras partes vizinhas, às orelhas, aos braços, aos cabelos espalhados pelos ombros, mas tão depressa buscava as pupilas, a onda que saía delas vinha crescendo, cava e escura, ameaçando envolver-me, puxar-me e tragar-me. Quantos minutos gastamos naquele jogo? Só os relógios do céu terão marcado esse tempo infinito e breve. A eternidade tem as suas pêndulas.

Rainer Maria Rilke - Song Of The Sea [excerpt]

Timeless sea breezes,
sea-wind of the night:
you come for no one;
if someone should wake,
he must be prepared
how to survive you.


Audre Lorde - From the House of Yemanjá [excerpt]

the sun and moon and forever hungry
the sharpened edge
where day and night shall meet
and not be
one.

Anderson Lopes disse...

Você, Iemanjá e as palavras são de prender qualquer atenção.

Carlos Henrique disse...

Bravo!!! Aqui encontro contigo a nítida maturidade das metáforas. Obrigado, le.




Bj do C.H.

JuliaF disse...

Amei.
Sem mais!!!!!!!!!