Benditas Palavras Bem Ditas: Acontecer.

quinta-feira, outubro 14

Acontecer.










via imgfave


Adora fazer listas. Considera-se prevenida. As favoritas são as de supermercado. Separa os itens por seção e tipos. Chegou a listá-los por marcas, mas não gosta de misturar artigos de limpeza com os de primeira necessidade e supérfluos. Não pode ver uma receita nova nos programas matutinos de culinária, que elabora listas com os ingredientes das iguarias para as comemorações que nunca acontecem, festas que nunca faz. Sente-se realizada em organizar. Ajeita a casa e seu aparelho de chá para as visitas que jamais recebe. Suas roupas nos armários já foram arrumadas por cores, mas os tipos misturavam-se. Decidiu pelos dois critérios: tipos e cores – nessa ordem. Sua gaveta de saia é cheia de peças que nunca usou, comprou porque achou bonito e imaginou-se em alguma festa, que nunca foi e não sabe quando será convidada. As roupas de praia estão ficando amarelas e velhas com etiquetas na gaveta. Ela diz ter alergia a sol e agonia de colocar os pés na areia. Nos cabides, separados por cores e ocasião, tem ternos para convenções profissionais e velórios, embora não tenha ido a nenhum. Dia desses percebeu que ninguém que ela conhece, morre. Tem poucos amigos e os guarda numa caixa de fotografias, a mais recente tem uns dez anos. Morte é uma coisa que não a preocupa. Na verdade, mesmo sem se dar conta, viver também não. A precaução e previsibilidade não permitem, embora ela passe a vida esperando que algo aconteça, mas nem mesmo sabe o que.




Fernand's




14 comentários:

Júlia Zuza disse...

Que bonito e triste, Fer! Me lembrei da Carolina da canção do Chico que ficou na janela vendo a vida passar. E a vida não mentiu: passou mesmo.
Um brinde pra quem desarruma o guarda-roupa e um pouco a vida tbém!
Bj

Fernand's disse...

Jú,
fiz esse texto nesse feriado... Inspirado em alguém que existe mesmo, mas não se percebe assim. É triste para quem vê de fora, mas ela é feliz assim. Ao menos se considera...

Sou uma pessoa organizada, mas de vez em quando deixo tudo fora do lugar e previsibilidade é algo que não combina muito comigo. rsrs

Rafael disse...

Wow!

Essa coisa de acumular o que um dia eu posso precisar costumo dizer que acaba virando um bunker emocional, como aquelas pessoas que lotão o porão de mantimentos caso venha a próxima tempestade. Tem gente que se dá bem dessa forma, não é meu caso. Sou desorganizado pra cara!#@ e roupa é questão de humor, a peça que me caí ótima hoje pode ser um equívoco enorme amanhã.

Falei demais, bjo tchau!

Serginho Tavares disse...

também já fui assim, de catalogar tudo, hoje em dia relaxei!
quer dizer...

excelente texto

Fernand's disse...

Rafa,
quando a gente joga fora o que está acumulado é tão bom, né?! Coloco na wesquema dos seis meses, usei? Fica. Não, vai. rsrs Adorei teu recado. Bjs.






Serginho,
sou organizada, mas não catalogo tudo. rsrs Obrigada.

Zuza Zapata disse...

Diagnóstico: virginiana com transtorno compulsivo obsessivo! :D

Perfeito, como sempre. E as vezes tenho a sensação que passo a vida esperando algo que não sei o que é. Coisas do vazio da existência.

Beijos menina. :)

Ps: É maravilhoso ouvir que gosta dos meus texto, mas saiba que o fã aqui sou eu :)

Fernand's disse...

Zuza, é verdade... Virginiano é organizado ao extremo. Sei pouco sobre signos, prefiro as pessoas. rsrs Mas esse diagnóstico está correto.

Acho que todo mundo tem um certo vazio, não digo angústia. O grande lance é não transformá-lo em um grande buraco!

Obrigada, querido. temos bom gosto. hahahahaha

'Lara Mello disse...

Adorei esse texto! Muitas no seu particular vivem assim..Bju!

Pimenta disse...

Então, cada um descobre sua maneira particular de ter prazer, né?
Quem sabe a explicação seja que a pessoa só quer o prazer, e não os desprazeres?

Quem tem prazer no movimento de prazer e desprazer, ao enxergar o perigo, corre, então, apesar do susto, continua a andar...
Será?Sei lá!
Eu digo que no fundo, amo os neuróticos, pois eles são tão fáceis!É só entender como eles funcionam, e respeitar isso, e eles são maravilhosos, quando compreendidos e amados.
E se você quer briga, mais fácil ainda!hihihi,ops, mostrei a Odete!
bjo

Lobo disse...

Nossa, mexeu comigo esse texto. Porque eu conheço uma pessoa assim. É triste demais ver a pessoa afundar desse jeito, mas de nada adianta falar, porque ela própria não quer se dar conta...

Mas quem disse que é afundar? Quem sou eu pre julgar não é? É só que não a vejo muito sorrir, então...

Beijo!

Fernand's disse...

Lobo,
verdade... A pessoa não se dá conta, mas é um julgamento nosso e escolha dela.




Pimenta,
é questão de escolha... Eu opto por viver, dar a cara, ter emoções. Esconder-me para não sofrer ou ter desprazer seria uma prisão. Prefiro o ônus e o bônus. rsrs




Lara,
vivem mesmo!

Júlia Petit disse...

Realidade na veia.
Óbvio que conheço alguém assim!


Delicado e muito bem escrito.
Só podia ser você.

Mulher Vã disse...

Ela se sente feliz pelo simples prazer de organizar uma vida que não vive. Como alguem disse, bonito e triste!

Beijo

Fernand's disse...

Jú,
acho que todo mundo conhece mesmo alguém assim...




Vã,
não vive.