Benditas Palavras Bem Ditas: Aproveitemos a oportunidade!

quarta-feira, agosto 18

Aproveitemos a oportunidade!


Via Coisas Mínimas

Sentei entre duas senhoras, na estação, para esperar o metrô. Depois de quase um minuto percebi que não cumprimentei nenhuma das duas. E agora?, pensei. Agora já era. Meu mea culpa foi justificado com a regra "estranhos não se falam" (ninguém sabe onde e quando foi estabelecida). Nem um oi? Boa tarde? Claro que podemos fazer isso. O curioso é que quando você faz, as pessoas te olham com cara de surpresa. Acreditem ou não, o dissílado "olá" pode fazer a diferença pra alguém. Se não faz para o próximo, pode fazer pra você. Fez pra mim naquele momento: fiquei analisando o poder da impessoalidade, da individualidade e distância que insistimos em estabelecer, praticar e enfiar goela abaixo das pessoas. Isso é uma velha reflexão: muito difícil amar o próximo quando ele está muito próximo. Lembrei de uma passagem muito feliz da minha infância:

Primeiro dia de aula. Eu acabara de partir de uma escola de bairro para uma escolha gigantesca de freiras, era a antiga primeira série. Havia umas cinquenta alunas (só na minha turma - A). Ainda consigo sentir o cheiro do material novo, uniforme novo e uma nova sensação para uma criança de 6 anos de idade: e agora? Não conheço ninguém!  Na hora do recreio andei sozinha quase todo o colégio arrastando a mão na parede - que lugar lindo e enorme! Recordo perfeitamente do cheiro de lanche mirabel que aquela tarde teve. Estava tão maravilhada com o novo (tudo novo) que mal comi a "merenda". Ao final da hora do intervalo uma menina da minha sala se aproximou, disse "olá" e perguntou se eu queria ser sua amiga. Sim, respondi com a cabeça para ela, que usava aparelho nos dentes, tênis cor de rosa com cheiro de chicletes - eu já tinha visto (e cheirado) aquele calçado em uma loja, mas não tinha vontade de tê-lo, nunca fui muito fã dessa cor.

Fomos amigas sinceras desde aquele primeiro dia de aula, até o último dia em que fiz parte daquela escola. Depois minha família mudou de cidade. Aquele "olá" fez uma diferença enorme em minha vida. Fui muito feliz naquele lugar. Estou sendo piegas? Talvez seja isso que falte um pouco para as pessoas no dia a dia. Ser piegas é ser sensível, é nos enxergarmos no outro. Todos precisamos de carinho. Todos temos algo de bom pra dar. Se isso é coisa para crianças, quero ser criança pra sempre, então!


Fernand's




10 comentários:

Sentimental ♥ disse...

pode deixar.... :)

Shurumela disse...

Ser piegas com certeza é oque falta em nosso "mundinho pequeno". As pessoas hoje, têm medo de comprimentar umas as outras ou pelo menos dar um sorriso (isso acontece com todo mundo)
Muitos "olás" já mudaram situações em minha vida também. E muitas vezes este gesto partindo de mim. É bom, pq vc está mantendo um contato com uma pessoa nova e pode existir ali, possibilidades de surgir uma grande amizade ou até mesmo, apenas uma boa conversa, oque já é maravilhoso e faz vc pensar depois "caramba! ganhei o dia..." (:

beijos ;* te amo minha piegas!

Fernand's disse...

Sentimnetal, ;)





Ohana,
é verdade... Acredito que depende muito da herança familiar e meio de convivência da pessoa. Nós fomos bem encaminhadas. Eu já ganhei o dia muitas vezes. Hoje foi um deles, mesmo sem ter aproveitado essa oportunidade... Revi o erro depois. Chances sempre existirão!

Te amo infinitamente tbm!

Teofilo Ottoni disse...

Oi Fernand's,
Dando uma passada neste espaço bem legal e me deparo com mais um belo texto, reflexivo.
"muito difícil amar o próximo quando ele está muito próximo".
Genial essa frase.
Também tenho belas lembranças de meus tempos de Santo Inácio.
A sacação dos odores nos remetem a lembranças ótimas.
Beijos

Teofilo Ottoni disse...

Caramba Fernand's,
A gente escreve tão empolgado e sem revisar o texto escrito que saem barbaridades como "a sacação dos odores nos remetem".
Por favor, ignore isso e leia:"a sacação dos odores nos remete".
Beijos

disse...

Olá!

:)

Quer ser minha amiga? :)

Ontem postei... "Qualquer coração bravo, amolece com carinho".

É a tal "coisa"... dar o primeiro passo, no caso, o primeiro "olá".
Beijo, adorei.

Fernand's disse...

Teo,
essas lembranças são realmente insubstituíveis e super valiosas! Não esquenta com a revisão... Eu entendi! rs





Pê,
claro! =D
Pensamos da mesma forma... Muito bom ver pessoas que partilham das mesmas coisas. O primeiro passo é sempre muito importante. Bj.

Nêgo disse...

Um olá ,obrigado, por favor, com liçença, adoro vc, são palavras que mudariam o mundo.

Fernand's disse...

Nêgo, pelo menos mudam o mundo de alguém... O meu muda! Bjs.

Júlia Petit disse...

Conheço muito bem essa tua
sensibilidade.
Orgulho em ser tua amiga.



***Bjs***